Menu superior

31 março 2011

LEADER - 200 Vagas

Para quem procura emprego, uma boa oportunidade são as vagas temporárias. As lojas de departamento Leader estão com inscrições para 200 vagas de emprego para o período do Dia das Mães. As vagas são para atendente comercial e auxiliar de operações de estoque.  Os interessados devem possuir ensino médio completo. Interesse pelo ramo de varejo, atendimento ao cliente, dinamismo e vontade de crescer serão os diferenciais. As inscrições devem ser feitas exclusivamente pelos site http://www.leader.com.br/, no link Trabalhe Conosco. 
Os candidatos que se destacarem no período do Dia das Mães terão possibilidade de efetivação após a experiência tempórario.


30 março 2011

José de Alencar - HISTÓRIA DO GRUPO COTEMINAS

Em 17 de outubro de 1931, num povoado à margem do rio Glória, chamado Itamuri, município de Muriaé, Minas Gerais, Antonio Gomes da Silva, pequeno comerciante, e Dolores Peres Gomes da Silva, dona de casa, viram chegar ao mundo, seu décimo primeiro descendente, José Alencar, de um total de 15 filhos. Um lar tipicamente mineiro em sua simplicidade, no culto aos valores espirituais e morais e na vivência familiar austera e impregnada de amor.

José Alencar madrugou no trabalho. Aos sete anos, ensaiava os primeiros passos atrás do balcão da loja do pai, “mais para atrapalhar do que para ajudar”, admite ele. Aos 14 anos, decidiu que era hora de ir mais longe.
Em 1946, deixou a casa paterna, indo para Muriaé trabalhar como balconista na loja de tecidos “A Sedutora”. Na partida, ouviu um conselho do pai: “Meu filho, o importante na vida é poder voltar”. Desse conselho, nunca mais se esqueceu.
Durante bom tempo lá, em Muriaé, José Alencar dormiria em um catre, no corredor do Hotel da Estação. O salário de 300 cruzeiros não dava para pagar o quarto.
Em maio de 1948, José Alencar muda-se para Caratinga. Levava dois cruzeiros e trinta centavos no bolso, a mesma malinha de madeira com que saiu de casa e nenhuma dívida. Precisou pouco tempo para ser considerado, a exemplo do que já havia ocorrido na loja “A Sedutora”, de Muriaé, o melhor vendedor também da Casa Bonfim, de Caratinga.
“Lá comecei ganhando 600 cruzeiros mensais e pagava 300 de pensão. Uma pensão de categoria – vamos dizer – uma estrela”, recorda com bem-humorado saudosismo.
Foi nessa época que seu irmão mais velho, Geraldo Gomes da Silva, emprestou-lhe 15 mil cruzeiros para que o jovem, mas já experiente, José Alencar, aos 18 anos de idade, começasse seu primeiro negócio. No dia 31 de março de 1950, o futuro Senador e Vice-Presidente da República, um dos mais bem-sucedidos empreendedores do país, abria as portas de sua primeira empresa: “A Queimadeira”, na avenida Olegário Maciel, 520, no Barro Branco, em Caratinga. A firma era individual: José Alencar Gomes da Silva.
Foi com esses 15 contos que começou sua lojinha em Caratinga. Era abaixo de microempresa, duas portas de madeira. Ela não foi inaugurada, foi aberta. Seu irmão Geraldo se dispôs a lhe emprestar os 15 contos, por acreditar nele. Sabia que ele tinha planejado tudo. José Alencar não possuía nem um tostão, mas conhecia o mercado, conhecia todos os fornecedores e todas as mercadorias. Sabia que tipo de mercadoria comprar, por quanto poderia comprar e sabia também que seu custo seria imbatível, o mais econômico da praça.
Como José Alencar era menor de idade, ele pediu a seu pai que o emancipasse com escritura pública da emancipação, o que foi feito.
Morar na própria loja, “atrás da prateleira”, e comer de marmita fazia parte do esforço para baixar os custos e tornar competitiva a lojinha, que vendia quase de tudo: tecidos, calçados, chapéus, guarda-chuvas, sombrinhas, armarinhos, etc. O primeiro auxiliar foi o Manoel.
“Depois”, conta Alencar, “alguns irmãos me ajudaram: o Toninho, o Lucílio e o Tatão. Este chegou a ser sócio por algum tempo, mas, mesmo quando não participou mais da sociedade, ainda assim seus empréstimos sempre me valeram em momentos mais difíceis”.
No ano de 1953, José Alencar decide mudar de ramo. Desde o começo daquele ano inicia o processo de preparação para passar “A Queimadeira”. Vendê-la. À medida que ia vendendo o estoque, foi pagando todos os compromissos, com o Geraldo, os fornecedores, os bancos e a fazenda pública. Em dezembro, tudo pago, concretiza-se a operação. Três promissórias, com vencimentos em 30 de abril de 1954, foram recebidas. Nada mais.
Estava encerrado o primeiro capítulo dessa história.
Depois de “A Queimadeira”, uma nova fase se abriu na história de José Alencar. Recebeu a primeira promissória em abril e a segunda em agosto. Durante esses oito meses sem capital, foi viajante de um grande atacadista de tecidos do Rio de Janeiro, empresa denominada Tecidos Custódio Fernandes S.A., e aprendeu, em estabelecimento modelar, a trabalhar com atacado.
Ao receber a segunda promissória, voltou a se estabelecer, agora com cereais por atacado, ainda em Caratinga, onde, em seguida, participou – em sociedade com José Carlos de Oliveira, Wantull Teixeira de Paula e seu irmão Antônio Gomes da Silva Filho – de uma fábrica de macarrão, outro grande sucesso. Era a Fábrica de Macarrão Santa Cruz.
No Natal de 1959, uma grande perda: morre o Geraldo, irmão, amigo e conselheiro. José Alencar foi chamado para assumir os negócios que Geraldo iniciara, havia 10 meses, em Ubá.
Eram sócios o próprio Geraldo, seu tio Heitor Serrano Peres, Manuel Nascimento Moura, Manuel Vieira, todos já falecidos, e João Batista Magro, que vive hoje em Belo Horizonte.
A empresa denominava-se União dos Cometas, de Geraldo Gomes & Cia. Com a reestruturação societária, em homenagem ao principal fundador, manteve-se o seu nome, adotando a razão social Geraldo Gomes da Silva, Tecidos S.A.
Em 1963, José Alencar construiu a Cia. Industrial de Roupas União dos Cometas, que mais tarde ganharia outro nome, Wembley Roupas S.A. Essa denominação surgiu graças ao sonho do tricampeonato da seleção brasileira na Copa de 66, disputada no Estádio de Wembley, em Londres. A seleção não foi feliz e perdeu aquele campeonato, mas o empreendimento de José Alencar não parou mais de crescer.
Em 1967, com o apoio da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) e do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), José Alencar – em parceria com o conceituado empresário e Deputado Luiz de Paula Ferreira, da área de beneficiamento de algodão – fundou, em Montes Claros, a Companhia de Tecidos Norte de Minas, Coteminas.
Todavia, a inauguração da fábrica de fiação e tecidos, a mais moderna de todas quantas existiam, deu-se em 1975.
Josué Christiano Gomes da Silva, filho de José Alencar, é, na atualidade, o executivo titular da Coteminas. Passou a exercer, em 1996, a Superintendência Geral da Companhia, até então ocupada por José Alencar desde a constituição da empresa em 1967.
O crescimento da empresa, sob seu comando, tem sido objeto de admiração por parte de todos quantos militam no ramo têxtil, em nosso país e até mesmo no exterior.
Hoje com 15 fábricas no Brasil, 5 nos EUA, uma na Argentina e uma no México, mais de 15 mil colaboradores, e contando com a satisfação dos mais exigentes clientes no mercado brasileiro e internacional, a Coteminas continua acreditando no entusiasmo e solidariedade como motores do crescimento, e a confirmar seus compromissos com sua própria equipe, seus fornecedores, clientes e acionistas, e com as comunidades nas quais está inserida.

Um grande incentivo ao empresariado e aos empreendedores deste PAÍS!

25 março 2011

89 ANOS PCdoB

Hoje essão especial, no Centro Cultural da Câmara Municipal de Salvador, comemora os 89 anos do Partido Comunista do Brasil (PCdoB). A homenagem, iniciativa das vereadoras Aladilce Souza e Olívia Santana, teve a presença de parlamentares como Deputado Estadual Álvaro Gomes, Fabrício e os Deputados Federais Daniel Almeida e Alice Portugal, dirigentes do partido, convidados e representantes de sindicatos e demais entidades da sociedade organizada.


UM POUCO DE HISTÓRIA DO PARTIDO MAIS ANTIGO DO BRASIL

Fundado em 28 de março de 1922, o Partido Comunista do Brasil é o partido mais antigo do país. Nasceu das primeiras greves operarias no Brasil com influência do ideário marxista leninista, viveu grande parte de sua vida na clandestinidade.

Em 1962, enfrentou o oportunismo de direita no seio da organização, foi o primeiro Partido Comunista fora do poder a romper com o revisionismo. Reorganizou-se, adotando a sigla de PCdoB, e realçou sua marca revolucionária.
A trajetória dos comunistas e de seu Partido no Brasil é incontestável, são diversas as lutas e batalhas travadas pela organização, greves operarias, luta pelo desenvolvimento, enfrentamento a ditadura militar com Guerrilha do Araguaia, luta pelas diretas e pela soberania, são acontecimentos que forjaram a disciplina e a combatividade de seus militantes e quadros. A história de luta dos comunistas se confunde com a história do povo brasileiro.










MUNDO POSITIVO

Existe sede de mudar na esperaça em vê o HOMEM ser do bem.
Existe uma revolta juvenil de gritar por JUSTIÇA.
Nas maldades anúciadas nos jornais nas quais as vezes doem vê.
Nos presídios deste país cheios de homens FORTES na extrema solidão interna da grades.
Existe sede de mudanças, quem sabe de um FUTURO melhor e não apenas de interesses pessoais que afetam os sociais.
Eu me pego pensando em folhas de jornais POSITIVAS, em manchetes de valorização humana e notícias benevolentes, coisas que deveriamos olhar!
Porém, estamos MANIFESTADOS de informações negativas, de corrupção, de maldade, de mortes, guerras famíliares, guerras políticas, guerras socias, guerras internacionais e mundiais.
Acredito na auta-estima para melhoria interna...no respeito aos valores, a ética e as virtudes.
Na compreensão do outro.
Tenho sede de esperança de vê SORRISOS, alegrias, lágrimas de felicidade, algumas até de amores mal resolvidos. Mais tenho fé num MUNDO positivo, em homens de BEM!

23 março 2011

CLÁSSICO


Beijo na estação de trem de New York em 1944 - 2º Guerra Mundial. Foto memoravel do Fotojornalista (Alfred Eisenstaedt)


(Alfred Eisenstaedt)

Fotos em petro e branco dão ar mais clássico, dramático e por vezes mais sexual.
 
Sophia Loren
(Alfred Eisenstaedt)

19 março 2011

LUTAS DO TEMPO...DO DIA-A-DIA

Pelo passar do tempo , eu estou alegre , tanto sofrimento , tantas lagrimas caidas...mas pra que tudo isso ? Estou viva , estou presente na vida de quem eu quero , ou até muito longe , longe das pessoas que eu amo , mas elas sabem que eu sempre estarei com elas.Meus sentimentos estão a flor da pele , a cada dia , derramo mais lagrimas , a caminho da escola , ou até na volta.Quando vejo um grupo de amigos , lembro dos meus , e começo a entrar em combate contra meu coração.Ele diz que nao aguenta mais , e minha mente , ela diz que eu sou forte , capaz de lutar muito mais .De querer mais , de viver mais do que eu vivo. Tenho marcas , marcas de luta , marcas de lutadora , marcas feias que mostram que sofri algo , marcas lindas que mostram que eu sobrevivi a algo . Essas marcas me davam vergonha , mas hoje , elas me dão orgulho , de saber que sou capaz de enfrentar tudo que eu passo , tudo que eu vivi e vivo . Ter uma coisa pendurada em seu peito , ou até mesmo em seu pescoço , te faz chorar , te faz ficar para baixo , mas depois de um tempo , aquilo é engraçado , aquilo é vida . E graças a aquela coisa , estou viva. Ter tres dias da semana ocupados , ficar 4 horas nesses tres dias ligada a uma maquina , me dava medo , mas hoje , me da esperança , coragem . esperança de ter tudo que eu sonhei , e de conseguir novamente , destruir as barreiras que me impedem de sonhar!

                       Vitória Lopes (Minha prima de 14 anos...na qual me orgulho das suas palavras emocionadas, em que relata sobre as questões da sua vida, saúde e da sua maneira de enxergar o mundo)

18 março 2011

Vento

Um amigo veio me perguntar o que gostaria de ser depois que eu morresse

Eu disse:

O VENTO!
Poderia passear pelas montanhas, tocar em rostos, sorrisos, viajar pela imensidão do céu.

17 março 2011

Hormônios

Lá vem ela,
Deixando-me mole outra vez.
Começa assim:
Choro sem motivo.
Lagrimas sem razão.
Depois um calor excessivo,
Explodindo.
Fica-se tarada,
Depois vem a raiva.
Briga-se por qualquer motivo.
Tudo se transforma em tempestade.
Briga com namorado,
Visinho,
Parentes, colegas de trabalho
e até sozinho.
Arrancam-se cabelos!
Sente-se dor...muita dor! Cólicas.
Dor nas costas, pernas, virilha, abdômen...
Dor...dor...dor
Logo se olha no espelho e ver o monstro que se transformou
Não há assunto.
Palavras sem sentidos
Toma-se remédio, alívio da dor
Assim são esses 3 ou 7 dias!
Sinônimo de mulher.
Lado feminino na sua beleza
Representando em ciclos e períodos
Isso é química.
Mulher...

10 março 2011

APAE

Esse poema foi escrito por um aluno da APAE, chamado, pela sociedade, de excepcional. Excepcional é a sua sensibilidade! Ele tem 28 anos, com idade mental de 15.

Ilusões do Amanhã
'Por que eu vivo procurando um motivo de viver,
Se a vida às vezes parece de mim esquecer?
Procuro em todas, mas todas não são você.
Eu quero apenas viver, se não for para mim que seja pra você.
Mas às vezes você parece me ignorar, sem nem ao menos me olhar,
Me machucando pra valer.
Atrás dos meus sonhos eu vou correr.
Eu vou me achar, pra mais tarde em você me perder.
Se a vida dá presente pra cada um,
o meu, cadê?
Será que esse mundo tem jeito?
Esse mundo cheio de preconceito.
Quando estou só, preso na minha solidão,
Juntando pedaços de mim que caíam ao chão,
Juro que às vezes nem ao menos sei, quem sou.
Talvez eu seja um tolo,
Que acredita num sonho.
Na procura de te esquecer,
Eu fiz brotar a flor.
Para carregar junto ao peito,
E crer que esse mundo ainda tem jeito.
E como príncipe sonhador...
Sou um tolo que acredita, ainda, no amor..'


PRÍNCIPE POETA (Alexandre Lemos - APAE)

Nota:
Peço que divulguem para prestigiá-lo.
Se uma pessoa que encontra as barreiras que ele encontra acredita
tanto no amor, por que a maioria das que se dizem 'normais' procuram, ao contrário, negar sua existência?

ÁGAPE

Estou lendo um livro do padre Marcelo Rossi chamado ÁGAPE:

“Ágape” em grego significa “amor”. Esse é o amor fraternal e espiritual entre camaradas, irmãos e irmãs, entre a família, entre casais e seus filhos (quando de fato existe o sentimento fraterno, e não uma mera convenção social de fachada). Ágape é o amor afetivo isento de conotações sexuais, isento de segundas intenções, isento de malícia e de interesses pessoais. Sendo Ágape o amor de afeição, é também amor de satisfação, pois uma fraternidade, quer seja entre irmãos de sangue ou não, quer seja entre esposo e esposa, quer seja entre um núcleo familiar, etc., esse amor satisfaz porque é compartilhado e tem resposta entre todos aqueles que se reúnem para formar uma fraternidade de homens, mulheres e crianças. Amor ao próximo.




09 março 2011

COPA 2014

Começa-se um novo período na Bahia, esse estado grandioso por território está mais próximo do que nunca de entrar novamente para historia com a notável possibilidade de sediar a Abertura da COPA de 2014. Vamos lá! Torcer, pedir a todos os santos e todos os axés para a Bahia ser palco de um dos eventos esportivos mais cobiçados e rentáveis do mundo – Futebol.  Sinônimo de alegria, união, família, raça, coragem, sofrimento, dor e felicidade. Futebol expressa-se em camisas, fogos de artifício e muita gritaria. Assim é o povo Baiano, misturado. Somos parte fundamental da história desse continente, somos o que começou e se começou aqui o início da descoberta de um novo mundo através da idéia que mundo é redondo e não mais plano como se pensava. Bahia está preparada, não somos apenas Pelourinho, Elevador Lacerda, temos mais do que monumentos, temos um povo sorridente e caloroso, somos a alma verdadeira desse país, que acolhe e recebe tão bem o turista. Devemos, sim! Se palco desse título de Cidade Sede da Abertura da COPA 2014. Essa vitória não é apenas de Salvador e de todas as cidades do nosso Estado. São Francisco do Conde, Feira de Santana, Vitória da Conquista, Pojuca, Ilhéus e Itabuna. Todas as cidades estarão torcendo por Salvador, estaremos deixando as diferenças de lado para sermos a união desse Estado. Inicio esse espaço com esse pensamento, teremos sim que trabalhar muito para apresentar ao mundo a nossa criatividade e a força de vontade de poder sediar de maneira responsável a abertura da COPA 2014.

08 março 2011

ÁTOMO

Somos pedaços de átomos energizados que um dia foi Estrela, hoje é um corpo humano e amanhã só dependerá de você.



02 março 2011

Mulher e Telefone

Ligamos porque quando gostamos corremos atrás mesmo, sem medo de um NÃO, sem medo de parecer o que for, sem medo de nos achar inferior por querer o outro. Ligamos porque quando se gosta, queremos escutar a voz, conversar, se encontrar e continuar no ritmo do dia-a-dia se falar. Devido ao uso excessivo do celular, se comunicamos cada vez mais e temos o habito de passar um bom tempo com o ouvido no telefone. Transferimos essa rotina para todos os relacionamentos, seja amoroso, comercial e pessoal. Fazendo com que o uso do celular ou telefone seja uma tecnologia tão necessária que não conseguimos passar três dias ou mais sem ele.
Somos tomados pela vontade de ligar, e quando não conseguimos, tentamos insistentemente a atenção do outro, cobiçada aos ouvidos.
As mulheres. Então, nem se fala, somos as mais neuróticas no quesito telefone. Ligamos, desesperadamente, mesmo sabendo que o outro sabe do registro da ligação e quando não se retorna para dar um esclarecimento e como se estivéssemos à beira de um infarto, prontas para uma batalha de guerra com o aparelho e com a outra pessoa que não quer atender. Ficamos paradas com os dedinhos loucos para apertar SEND e ligar até quem sabe a pessoa dizer algo como:
- Não posso atender.
- Olá! Desculpa, estava ocupado.
- Sim, podemos conversar depois.
- Estava em reunião.
Enfim, sabemos que é desculpas esfarrapadas, mais nossa grande ignorância sentimental, deixa-nos cegas, tão burras, mesmo sabendo que o outro está dizendo de forma tão subjetivamente clara:
- Por favor, não me ligue! Não entendeu que não quero mais conversa com você.
Risos. É assim, que funciona. São poucos, de maneira realmente clara que diz o que tem que se dito. Porém, a maioria fica naquele lance meio hipócrita. Sempre haverá desculpas para eles não quererem escutar nossas baboseiras melosas e sentimentais.
Porém, não desistimos, nos mulheres continuamos ligando.
                                                                                               :) - Mari Assunção